A Insuperável Engenharia Megalítica Do Antigo Egito

Existem evidências de que os antigos egípcios possuíam uma tecnologia bem desenvolvida para o trabalho em pedra, desde os tempos pré-dinásticos até o antigo império. Baseado nos artefatos recuperados, os primeiros egípcios usavam brocas tubulares, serras (tanto braçais como circulares ), e tornos para cortar e moldar a pedra em objetos de uso doméstico. 

Museus em todo o mundo exibem exemplos de utensílios em pedra dos primeiros egípcios. São feitos de uma variedade de materiais, de pedras macias como o alabastro, até a mais dura de que se tem conhecimento, o granito.

Essas peças de museu constituem alguns dos artefatos mais belos já encontrados, e pertencem a um período muito antigo da civilização egípcia. Muitos foram encontrados dentro e em volta da pirâmide escalonada de Djoser, em Saqqara, local este associado também à descoberta de estruturas megalíticas impressionantes. Um dos muitos poços enormes localizados no antigo sítio maciço de Saqqara esculpido na rocha calcária tem 15 pés por 15 pés por 100 pés de profundidade.

Poço localizado em Saqqara.

Acredita-se que a pirâmide mais antiga do Egito seja a pirâmide escalonada de Djoser, construída durante a terceira dinastia, por volta de 2.630 a.c., e que também teria sido a primeira do mundo.

A pirâmide de degraus de Djoser.

Objetos elegantes feitos em granito indicam não só um alto grau de destreza atingido, mas, talvez, também um avançado nível de tecnologia. Os artesãos do Egito Antigo também usavam brocas para perfurar orifícios. Uma broca tubular é um cilindro oco com dentes em uma das extremidades. Uma broca tubular também foi usada para escavar o sarcófago na câmara do rei da Grande Pirâmide. 

Marcas de brocas tubulares foram deixadas no topo, do lado de dentro do sarcófago em seu lado leste. Perto da Esfinge, nos lintéis sobre as portas do Vale do Templo, uma broca tubular foi usada para perfurar o granito. 

Fabricar uma broca forte o suficiente para perfurar granito não é uma tarefa simples nem primitiva. 

Para criar uma ferramenta capaz de remover rocha dura, as brocas tubulares de bronze eram equipadas com pontas de pedras preciosas. É claro que isso indica que mineração, metalurgia e confecção de brocas devem ter ocorrido muito tempo antes das estruturas no planalto de Gizé terem sido erigidas.

Os antigos egípcios também usavam serras de pedra. Um exemplo disso está em Gizé, onde blocos de basalto foram cortados para serem usados como pedras de pavimentação. Evidências desse uso podem ser observadas no lado leste da Grande Pirâmide. Pedras de pavimentação foram colocadas sobre blocos de calcário, que eram ajustados previamente à rocha-mãe subjacente. Aparentemente os blocos foram nivelados depois de terem sido colocados no solo.

Em cima: Blocos de pedra de Gizé; Em baixo: Detalhe das marcas de serra.

Sugere-se que o corte e a modelação da rocha dura como o granito, o diorito, o basalto etc., eram feitos com ferramentas de bronze, dotadas de pontas cortantes, bem mais duras do que o quartzo com o qual se trabalhava. O material dessas pontas ainda é indeterminado; mas apenas cinco substâncias são possíveis: berilo, topázio, crisoberilo, corindo ou safira, e o diamante. O caráter do trabalho certamente parece apontar para o “diamante” como a joia de corte. Os hieróglifos eram gravados com uma ferramenta de corte preciso.

Abaixo, incríveis imagens da região de Saqqara, Egito, postadas no instagram do Megalithicmarvels.

Imagens de cortes precisos em Saqqara do instagram @megalithicmarvels .
Imagens de cortes precisos em Saqqara do instagram @megalithicsmarvels.

 

 

Os caixões de granito de Serapeum

Caixão de granito do Serapeum.

A nordeste da pirâmide escalonada de Djoser, em Saqqara, há uma galeria de túmulos construídos em um túnel escavado na rocha, dedicada ao touro Ápis, que seriam encarnações da divindade Ptah. Os touros Ápis eram enterrados numa câmara subterrânea, chamada Serapeum. No interior do Serapeum, câmaras com tetos de quase 7,5 metros de altura e pisos de 1,5 metro mais baixos do que o piso principal foram escavadas em ambos os lados do corredor principal. Essas salas abertas eram o local em que os maciços sarcófagos para os touros Ápis antigamente ficavam. Cada sarcófago foi esculpido de um único bloco de granito, e cada tampa pesa muitas toneladas. Vários desses sarcófagos ainda existem dentro do Serapeum. 

A tampa de 27 toneladas de um dos sarcófagos, e a superfície interna do caixão de granito em que ela se apoiava, tinham uma precisão de 0,000125 centímetro. Reproduzir a precisão dos caixões de granito de Serapeum seria extremamente difícil mesmo hoje em dia. O caixão de granito encontrado na Grande Pirâmide tem as mesmas características que os Serapeum. 

O sistema de túneis no Serapeum foi escavado na rocha e, se as luzes não estiverem acesas, elas ficarão totalmente escuras . Então, como eles foram criados, já que não há fuligem no teto? E eles são apenas 4000 anos mais velhos ou “muito” mais velhos?

Sistema de túneis no Serapeum.

Referências

megalithicbuilders.com

hiddenincatours.com               

Revista Enigmas – Edição 2 – “O incrível Templo Serapeum” – matéria super completa sobre esse tema na edição número 2.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.