Vajra: O Cortador Micro-ondas Alienígena?

Segundo a mitologia hindu, Vajra é a arma de Indra, a divindade do trovão. Em sânscrito, a palavra ‘Vajra’ significa tanto raio quanto diamante. É dito que a arma Vajra possui a indestrutibilidade do diamante e a força irresistível do raio. O Vajra é dito ter a capacidade de abrir portas estelares para outros planetas.

O dr. Ernst Muldashev trouxe do Nepal uma foto do vajra, que segundo dizem foi usada para cortar pedras.

Segundo ele, ouviu os servos do templo dizendo: “Este dispositivo foi projetado para a moagem de montanhas. Estes dispositivos eram de tamanhos diferentes e chamados de Javra”, e continua “”tal dispositivo subia no ar e voava em obediência ao pensamento do homem”. “Ele poderia moer montanhas, girando a grande velocidade, movendo-se sob a água e no subsolo e retornar”.

 

UMA ARMA DE RAIO ATRAVÉS DAS CULTURAS

Estudiosos afirmam que não há relação entre a mitologia indiana, grega, australiana e nórdica, nem a cosmologia das Américas. Eles acreditam que cada civilização concebeu seus deuses independentemente e que uma tradição mais profunda, mais antiga e universal não existe. Se este fosse o caso, então a fundação dessas sociedades; seus mitos, tradições, crenças e iconografia devem ser exclusivos para eles, sua localização e sua história. Os contos de guerra, intriga e conquista que saem da história americana são muito diferentes daqueles da Inglaterra, França, Índia e China. O mesmo acontece com os costumes, tradições e símbolos que representam a nação. No entanto, quando olhamos para uma ampla gama de grupos antigos e indígenas, existe um padrão de comum entre eles. Mitos e símbolos encontrados na Índia aparecem prontamente nas descrições orais e escritas de outras culturas. Eles também aparecem em suas imagens artísticas. Essas representações parecem transcender o tempo e a localização.

O símbolo do trovão ou do raio como ferramenta de destruição, por exemplo, aparece em muitas civilizações antigas. A mitologia associa infalivelmente relâmpagos a um deus do céu, o deus do trovão, que o usa como arma.

De acordo com o Rig-Veda, Vishnu instruiu Tvashta, o carpinteiro divino, a fabricar uma arma que não é nem líquida nem robusta. Esta nova arma, Vajra, poderia emitir raios. Com esta nova arma, a Indra eletrocutou tanto Namuchi quanto Vritra para devolver a luz e a umidade de volta à terra.

Uma arma semelhante a Vajra também aparece na cosmologia suméria. Seu uso é registrado no épico babilônico da criação, o Enuma Elish. Uma batalha entre o deus celeste Marduk (Bel) e a serpente Tiamat está detalhada na quarta tábua deste documento antigo.

De acordo com tradições antigas, o próprio Vajra é um trovão de mil lâminas forjadas de ferro, ou ouro misturado com bronze ou pedra.

Este poderoso dispositivo não só poderia destruir o inimigo em forma de máquina voadora atacante, mas também tinha a capacidade de causar chuva e era um símbolo de fertilidade.

O que me chamou a atenção sobre o Vajra foi sua função de cortar as montanhas e seu funcionamento como o Magnetron dos atuais fornos micro-ondas.

O Magnetron é a válvula eletrônica, presente nos fornos de micro-ondas, responsável pela transformação de energia elétrica em ondas eletromagnéticas.

Como toda válvula termiônica, para iniciar o funcionamento do componente é preciso aquecer seu cátodo, o que é feito, no caso do Magnetron, aplicando-se uma tensão elétrica. Ao redor do Magnetron estão dispostos dois ímãs com o objetivo de fazer com que os elétrons girem em alta velocidade.

Assim, com o movimento dos elétrons as ondas são induzidas nestas cavidades, ressonam e se somam até sair pela antena com grande intensidade.

As ondas emitidas por ele são perigosas ao corpo humano. Basta lembrar que nosso corpo é formado basicamente de água (75%) e as ondas eletromagnéticas geradas por ele aquecem-na.

Foi preciso uma explicação básica do funcionamento de nossos micro-ondas para tentar entender o possível princípio do funcionamento do Vajra.

DR. ERNST MULDASHEV

O dr. Ernst Muldashev, oftalmologista russo tem se dedicado a esses estudos e outros temas. Ele organizou uma expedição ao Tibet na tentativa de encontrar a Cidade dos Deuses situada a 6718 metros acima do nível do mar, no Monte Kailash. A equipe de Muldashev chegou à conclusão de que o Monte Kailash é na verdade uma enorme pirâmide artificial construída nos tempos antigos. “Nos textos tibetanos está escrito que Shambhala é um país espiritual que está localizado no noroeste de Kailash”, escreveu Mulsashev.

Mohan Bhatt, um erudito sânscrito baseado em Mumbai, diz que o Ramayana também se refere à montanha sagrada como uma pirâmide. Há também referências à montanha nos vedas que ele acrescenta. “Os textos antigos se referem à montanha como um eixo cósmico”, diz ele.

O dr. Muldashev afirma que “quando fizemos um mapa esquemático da “Cidade dos Deuses”, consistindo de pirâmides e espelhos de pedra, ficamos muito surpresos – o esquema era semelhante a estrutura espacial das moléculas de DNA. ”

Segundo o dr. Mulsashev “foram fotografias do jornal que me ajudaram a perceber a semelhança nas tecnologias de construção de pirâmides egípcias e gigantes de pedra da Ilha de Páscoa.” E ele acredita que a ferramenta usada para tal foi o Vajra.

Os traços da ferramenta de processamento estão marcados em vermelho. O tamanho e o estilo das marcas tanto no Egito como na Ilha de Páscoa coincidem, contradizendo a teoria de que esses povos não tiveram nenhum tipo de relação como menciona a História convencional e que as esculturas, templos, símbolos e histórias coincidem e muito, provando um laço entre eles.

De acordo com o dr. Mulsashev o Vajras pode ser combinado com outros bicos para processamento de pedras e outros materiais. Com a ajuda de tais acessórios figurados, é possível fazer plintos* de pedra e outras figuras, o que é necessário para fazer cópias em pedra da técnica alienígena.

Enquanto eu fazia as pesquisas e escrevia esse artigo tentei me cadastrar no Форум лаборатории НАНОМИР, que é o Fórum do Laboratório Nanomir, que pesquisa formas, mecanismos e energia do Nanoworld, mas o site estava sobrecarregado.

Pra quem se interessar são estudos de física, espiritualidade, tecnologia dos antigos, na liderança de Alexander Kushelev.

Como por exemplo, a semelhança entre as fachadas de torres, templos e portais com imagens eletrônicas da borda do cristal:

No laboratório “Nanomir” em “AIF” no número 1 (2002) foi publicado um artigo: “O colapso da física clássica?”, lá eles propõe baseados no Vajra:

  1. Motores de safira, capazes de dispersar a aeronave a quase

velocidade da luz.

  1. Fontes de energia safira capazes de salvar a humanidade da futura

crise energética (ambientalmente amigável).

  1. Máquinas exclusivas nas quais os motores e as fontes de energia são feitas.

 

Nota: * na arquitetura, plinto é o elemento que fica diretamente sob a base de um pilar, pedestal, estátua ou monumento. No antigo Egito, os plintos eram usados para sustentação de obeliscos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *