Máquina de Anticítera: Revelação de um Cosmos Portátil e Milenar

Compartilhe

Restos de um mecanismo enigmático e surpreendentemente tecnológico foi encontrado por mergulhadores, há mais de um século, provavelmente entre os anos de 1900 e 1902 no fundo do mar da ilha grega de Anticítera (original Antikythera ).

A princípio, por terem sido encontrados junto a outros artefatos, supunha-se que se tratava apenas de pedaços de uma estátua quebrada envolvida num tipo de barro endurecido. Por este motivo a magnitude deste achado fora ignorado por um expressivo espaço de tempo. Até que sob o olhar perspicaz de um arqueólogo do museu para onde haviam sido levados, descobria-se um pedaço de metal arredondado por traz do barro, muito parecido a uma roda. O barro então foi retirado, confirmando um objeto de metal em forma de roda que sendo mais profundamente estudado revelava outras peças dentadas e que juntas formavam um dispositivo bem mais complexo , de um tipo que não haveria sequer como imaginar pertencer a Antiguidade.

Análises e mais estudos posteriores com RX e raios Gama, expunham sem dúvidas, um mecanismo astronômico de precisão, muito bem elaborado, composto por engrenagens talhadas a mão, e que passava a ganhar inestimável valor envolto a intrigantes mistérios.

Segundo Sitchin, no seu livro Viagem ao Passado Mítico de 2007 na pág. 174, “A Máquina de Anticítera como foi chamada, ficava contida em uma caixa de madeira medindo 33 por 17 centímetros e meros 9 centímetros de largura.”

Na parte de metal também haviam letras gregas que para serem interpretadas se fazia necessário um estudo minucioso, limpeza e junção correta dos fragmentos.

Através das imagens obtidas pelo RX foi possível então detectar cerca de 30 engrenagens de bronze movidas a manivela. Duas engrenagens menores, regulavam a velocidade de rotação, replicando com precisão o tempo da trajetória que a lua executava ao redor da Terra, enquanto outra com 26 dentes  computava o deslocamento da órbita. Um dispositivo capaz de  prever eclipses, o dia, a hora, a direção da sombra e a cor da lua, próximos Jogos Olímpicos, eventos passados e futuros, e assim fascinando os estudiosos das mais variadas áreas do conhecimento.

Reconstrução do mecanismo de Antikythera no Museu Arqueológico Nacional de Atenas (feita por Robert J. Deroski, com base em Derek J. de Solla Price) Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/M%C3%A1quina_de_Antic%C3%ADtera

Quando os investigadores examinaram a parte frontal da máquina concluíram que ela demonstrava como os gregos entendiam o Universo naquele momento: a Terra no centro e cinco planetas ao redor, pois os gregos entre tantos outros conhecimentos, sabiam como os corpos celestes se moviam no espaço, podiam calcular suas distâncias da Terra e a geometria de suas órbitas.

Além da função astronômica, a Máquina de Anticítera, tinha função astrológica, de forma perfeitamente funcional e precisa que só seria possível existir pelas mãos dos primeiros astrônomos europeus, por volta de 1,5 mil anos depois da possível data de sua criação, ferventando questionamentos inevitáveis do tipo:

Quem poderia tê-la criado? Como e para qual destino? Por que tal conhecimento se perdeu ao longo da história?

Para os pesquisadores, os nomes dos meses que apareciam em outra engrenagem da máquina : Coríntios, tornou-se uma grande evidência de que poderia ser o grande gênio Arquimedes o criador da mesma, por ser ele um coríntio que vivia na colônia de Siracusa.

Segundo Freeth., “Só um matemático brilhante como Arquimedes poderia ter desenhado a máquina de Anticítera”, pois o cientista mais importante da Antiguidade clássica, determinou a distância da Terra à Lua, descobriu como calcular o volume da esfera, o número fundamental π (pi) e dizia com tamanha certeza que moveria o mundo com apenas uma alavanca.” Conforme historiadores, Arquimedes morreu em Siracusa quando os romanos conquistaram a cidade. Siracusa foi saqueada e seus tesouros foram enviados a Roma. Mas o General Marcelo levou consigo duas peças que diziam ser de Arquimedes, e o que hoje os pesquisadores acreditam ser versões anteriores da máquina.

Um texto publicado originalmente no dia 3 de julho de 2016 e atualizado no dia 17 de maio de 2017 pela BBC NEWS cita que “um indício está em uma descrição que o orador Cícero fez, séculos depois, de uma das máquinas que ele observou de Arquimedes: “Arquimedes encontrou a maneira de representar com precisão, em apenas um aparato, os variados e divergentes movimentos dos cinco planetas com suas distintas velocidades, de modo que o mesmo eclipse ocorre no globo (planetário) e na realidade”

Recentemente, Bandeira, Beatriz em seu artigo na Khronos, Revista de História e Ciência nº 5, maio 2018– expôs uma análise de Freeth (2014), bem detalhada, sobre a estrutura de previsão dos eclipses no dispositivo. Nela o investigador considera glifos, letras de indexação e inscrições que trouxeram importantes mudanças, inclusive aos seus trabalhos publicados anteriormente bem como uma data mais específica para a criação do dispositivo. Interpretações de Freeth (2014) junto as previsões dos eclipses solares e lunares de Carman e Evans (2014) confirma o ano (205 a.c) e reforça que o projeto da Máquina de Anticítera pode, realmente ser, de autoria de Arquimedes.

Então, o que teria levado esta preciosidade tecnológica se perder no tempo?

Todas as peças da engrenagem—Foto: BBC / BBC News Brasil

Talvez não tenha se perdido! E provavelmente nem seja a mesma! Mas, muito possivelmente, se trata de uma versão mais avançada da mesma dentro de uma caixa menor, com suas funções originais.

A história conta que logo após a queda do império grego e a divisão do império romano a tecnologia das engrenagens de metal e conhecimentos matemáticos viajaram para o oriente chegando até as mãos dos bizantinos e árabes eruditos.

Ao tempo que o ocidente sucumbia a Idade Média, a ciência islâmica era a mais avançada do mundo, e foi assim por um longo período! É dela que surge o segundo mecanismo engrenado mais antigo que se conhece depois da extraordinária Máquina de Anticítera. Um dispositivo com engrenagens mecânicas datado de 520 e que mostra as fases da Lua . Comprado nos anos 80 por um colecionador de astrolábios, indo parar no Museu de Ciência de Londres.

A réplica e o mecanismo original de Anticítera está exposto no Museu Arqueológico Nacional de Atenas. Existe uma outra réplica no Museu Americano do Computador, em Montana, nos Estados Unidos.

No final, a grande certeza que fica é que se refletirmos sobre a pequena caixa de madeira acomodando um artefato de tecnologia inimaginável para a época, capaz de desvendar mistérios do funcionamento dos planetas, dos astros e do universo, prever futuros acontecimentos no tempo e espaço meio a tantas outras incríveis possibilidades, descobriremos o quão pouco sabemos sobre a imensidão de verdades contidas neste vasto universo que as guarda, e que nos aguarda.

Referências:

Viagem Ao Passado Mítico—Sitchin, Z. Viagens Ao Passado Mítico: Livro II das expedições das crônicas da terra. São Paulo: Editora Madras,2015

Bandeira, Beatriz; Mecanismo de Anticítera: “ o misterioso Cosmos portátil.” Khronos, Revista de História da Ciência, nº5, p.133-144.2018. Disponível em https://www.revistas.usp.br/khronos/article/view/142353/140299

BBC NEWS-Brasil. Mecanismo de Antikythera: o objeto mais misterioso da história da tecnologia – 17 maio 2017 . Disponível em https://www.bbc.com/portuguese/geral-36639213

VEJA– Redação. Mecanismo de Antikythera é tema de novo doodle do Google. Publicado em 17 de maio de 2017. Disponível em https://veja.abril.com.br/ciencia/mecanismo-de-antikythera-e-tema-de-novo-doodle-do-google/

ISTO É—O tataravô do PC: Cientistas descobrem que o mais antigo computador do mundo registrava os movimentos do sol e as fases da lua– publicação 06/12/06 – 10h00 . Disponível em https://istoe.com.br/2746_O+TATARAVO+DO+PC/

TERRA – Primeiro PC da história gera mistério por data de criação. Data da publicação-03 DEZ 2014. Disponível em https://www.terra.com.br/noticias/tecnologia/primeiro-pc-da-historia-gera-misterio-por-data-de-criacao,611f0c35da01a410VgnVCM5000009ccceb0aRCRD.html

MAURÍCIO GREGO-O misterioso Mecanismo de Antikythera ganha homenagem do Google-Revista Exame-17 maio 2017, 13h47 – Publicado em 17 maio 2017, 12h08. Disponível em https://exame.abril.com.br/ciencia/google-homenageia-o-misterioso-mecanismo-de-antikythera-no-doodle/

MAXIMILIANO MEYER -Mecanismo de Anticítera: O computador de 2000 anos-Oficina da Net-22/05/2018 – atualização: 24/05/2018 12:30 em CIÊNCIA. Disponível em https://www.oficinadanet.com.br/ciencia/22782-mecanismo-de-anticitera-o-computador-de-2000-anos

Curiosa pesquisadora das mais diversas áreas do conhecimento, autora de variados tipos de textos, expostos em https://www.recantodasletras.com.br/escrivaninha/publicacoes/index.php

Posted in Artefatos Fora de Lugar (Oopart).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *