A Enigmática Cueva de Los Tayos: Mistérios e Tesouros que Sobrevivem ao Tempo

Na região amazônica equatoriana, chamada de Morona Santiago, há uma caverna muito profunda, conhecida por Cueva de los Tayos. Possui este nome por ser moradia dos Tayos, pássaros quase cegos que vivem nas profundezas da caverna que fica a uma altitude de 800 metros acima do nível do mar

A intrigante descoberta na Cueva de Los Tayos girou em torno do Sr. Janos “Juan” Moricz, um empresário argentino-húngaro aristocrático que alegou ter descoberto uma série de túneis no Equador que guardavam uma “Biblioteca de Metal”. Ele tentou registrar no Cartório da cidade de Cuenca uma escritura declarada na presença de várias testemunhas que confirmaram sua incrível descoberta, porém não se sabe ao certo se isso lhe foi permitido. A escritura expõe: “Na região oriental, província de Morona-Santiago, dentro dos limites da República do Equador, descobri preciosos objetos de grande valor cultural e histórico para a humanidade; contêm, provavelmente, o resumo da história de uma civilização desaparecida da qual, até essa data, não tínhamos o menor indício. Os objetos consistem principalmente de lâminas metálicas gravadas com signos e escrituras ideográficas, verdadeira biblioteca metálica que contém a relação cronológica da história da humanidade. Tais objetos se encontram espalhados dentro das diversas cavernas e são de natureza variada.”

Consta que Juan Moricz foi levado à entrada da caverna pelos índios Shuar, graças à amizade que mantinha com eles. Moricz acreditava que uma civilização perdida havia vivido no interior das cavernas, cuja rede de túneis subterrâneos com diversas entradas ocultas se espalhavam sob a América Latina inteira ligando todo o continente. Essa crença, da qual partilhou Juan Moricz, existe na maioria das culturas indígenas do continente americano. Os índios do Equador, como os Shuaras e Coangos, acreditam que os tuneis foram usados num passado distante por seus antepassados, permitindo assim, o contato entre os povos de terras distantes, contudo ao deixarem as cavernas para viverem sobre a terra, o conhecimento das entradas ocultas foram se perdendo.

LEIA MAIS