Materiais Artificiais Como Cimento Foram Utilizados Na Construção Megalítica De Puma Punku

As imensa plataformas de arenito vermelho e pedras de andesito teriam sido obtidas através de um cimento “natural” que foi transportado e depois misturado artificialmente para se tornar uma rocha muito dura.

Tiahuanaco, no Lago Titicaca, na Bolívia, é uma vila conhecida em todo o mundo por seu misterioso Portal do Sol, ruínas de templos e sua pirâmide. Os arqueólogos consideram que este local foi construído bem antes dos incas, por volta de 600 a 700 dC.

Pumapunku fica ao lado com as ruínas de um enigmático templo piramidal construído no mesmo período. Por não ser restaurada e desenvolvida para atividades turísticas, é menos conhecida pelo público em geral. No entanto, existem duas curiosidades arquitetônicas: quatro terraços gigantes de arenito vermelho pesando entre 130 e 180 toneladas e pequenos blocos de andesita, uma pedra vulcânica extremamente dura, cujas formas complexas e precisão milimétrica são incompatíveis com a tecnologia da época. E por uma boa razão, uma vez que a arqueologia nos diz que o povo de Tiahuanaco tinha apenas ferramentas de pedra e nenhum metal duro o suficiente para esculpir a rocha. Mas, de alguma forma, eles teriam esculpido os gigantescos blocos de arenito vermelho (esses blocos antigos são os maiores de todo o continente americano!). E teriam transportado essas centenas de toneladas de pedra até o local e ajustá-las com precisão. Além disso, eles teriam sido capazes de esculpir outros blocos menores feitos de andesita vulcânica, uma pedra impossível de esculpir, com um acabamento incrível! Os arqueólogos não podem dar explicações racionais sobre como isso foi possível. Portanto, para o público em geral, geralmente as suposições para explicar essas maravilhas vão de uma super civilização antiga perdida até o envolvimento de alienígenas.

Em novembro de 2017, os cientistas coletaram amostras do arenito vermelho e do andesito de Pumapunku. Pela primeira vez, essas pedras foram analisadas ao microscópio eletrônico, isso nunca havia sido feito antes! Eles descobriram a natureza artificial das pedras. Eles compararam as pedras dos monumentos com os recursos geológicos locais e encontraram muitas diferenças.

A rocha andesita é uma pedra vulcânica de magma. É composta principalmente de sílica na forma de feldspato de plagioclásio, anfibólio e piroxeno. Mas os cientistas descobriram a presença de uma matéria orgânica baseada em carbono. “A matéria orgânica à base de carbono não existe em uma rocha vulcânica formada a altas temperaturas porque são vaporizadas. É impossível encontrá-lo na rocha andesita. E porque encontramos matéria orgânica dentro da pedra andesítica vulcânica, os cientistas terão a oportunidade de realizar uma análise de datação por carbono-14 e fornecer a idade exata dos monumentos ”, de acordo com Luis Huaman, geólogo da Universidade Católica San Pablo, Arequipa, Peru. Este elemento orgânico é um geopolímero à base de ácidos carboxílicos que foi, portanto, adicionado por intervenção humana na areia da andesita para formar uma espécie de cimento.

Os blocos gigantes de arenito vermelho levantam outro problema. O arenito é uma rocha sedimentar composta por grãos de quartzo e uma liga de argila. Existem várias fontes geológicas possíveis, mas nenhuma corresponde às pedras dos monumentos arqueológicos. Nenhuma pedreira conhecida é capaz de fornecer blocos maciços de 10 metros de comprimento. Além disso, a pedra local é friável (quebradiça) e de tamanho pequeno. Os cientistas descobriram sob o microscópio eletrônico que o arenito vermelho de Pumapunku não pode vir da região porque contém elementos, como o carbonato de sódio, não encontrados na geologia local. Portanto, de onde vem a pedra? De centenas a milhares de quilômetros? Com que meios elas foram transportadas? De fato, a análise microscópica eletrônica prova que a composição do arenito pode ser artificial (um geopolímero de ferro-sialato) e fabricada para formar cimento.

Plataformas gigantescas em Puma Punku seriam geopolímeros, uma espécie de cimento de ferro-sialato. Foto: André de Pierre

Que tecnologia é essa dominada pelos Tiahuanacoenses? “Pedras artificiais foram formadas como cimento. Mas, não é um cimento moderno, é um cimento geológico natural obtido por geossíntese ”, afirma Ralph Davidovits, pesquisador do Geopolymer Institute. Para isso, eles levaram rochas naturalmente quebradiças e corroídas como arenito vermelho da montanha próxima, por um lado, e por outro, tufos vulcânicos não consolidados do vulcão Cerro Kapia, na vizinha Peru, para formar o andesito. Eles criaram cimento a partir de argila (a mesma argila vermelha usada pelos Tiahuanacoenses na cerâmica) e sais de carbonato de sódio de Laguna Cachi, no deserto do Altiplano, ao sul, para formar arenito vermelho. Para a andesita cinza, eles inventaram um aglutinante organo-mineral baseado em ácidos orgânicos naturais extraídos de plantas locais e outros reagentes naturais. Este cimento foi então derramado em moldes e endurecido por alguns meses. Sem um conhecimento profundo da química dos geopolímeros, que estuda a formação dessas rochas por geossíntese, é difícil reconhecer a natureza artificial das pedras. “Essa química não é uma ciência difícil de dominar. É uma extensão do conhecimento dos Tiahuanacoenses em cerâmica, ligas minerais, pigmentos e, acima de tudo, um excelente conhecimento do ambiente ”, diz Joseph Davidovits. Sem a seleção de boas matérias-primas, esses monumentos extraordinários não poderiam ter sido criados há 1.400 anos.

Finalmente, essa descoberta científica, supostamente confirma lendas locais que dizem: “As pedras foram feitas com extratos de plantas capazes de amolecer a pedra”. Essa explicação sempre foi rejeitada pelos arqueólogos porque não fazia sentido. As evidências fornecidas pela equipe de cientistas da França e do Peru mostram que a tradição oral estava correta: eles fizeram pedras macias que poderiam endurecer. Além da análise de datação por carbono-14, outros estudos serão realizados em breve para determinar se certos monumentos na região de Cuzco, no Peru, foram construídos com o mesmo conhecimento científico.

RESUMO DOS ESTUDOS

O Professor J. Davidovits apresentou no Geopolymer Camp 2018, na Sessão: Tecnologias Antigas, os primeiros resultados do programa de pesquisa em conjunto conduzido pelo Geopolymer Institute e pela Universidade Católica San Pablo, Arequipa, Peru, nos monumentos megalíticos de Tiahuanaco / Pumapunku (Tiwanaku), Bolívia (lago Titicaca). Veja um breve resumo da palestra do prof. Davidovits “State of the R&D 2018”, nos últimos 7 minutos do vídeo no GPCAMP-2018.

A plataforma no topo da pirâmide de 4 degraus de Pumapunku consiste em 4 lajes megalíticas de arenito vermelho, pesando entre 130 e 180 toneladas cada, a maior entre os monumentos do Novo Mundo. Nosso estudo sugere que as lajes são um tipo de geopolímero de arenito fundido no local. Foi publicado recentemente em Materials Letters 235 (2019) 120-124, Online em 8 de outubro de 2018, <https://doi.org/10.1016/j.matlet.2018.10.033> acesso com o seguinte link: Materials Letters.

Tradução:

Geopolímero antigo no monumento sul-americano. MEV e evidência petrográfica.

Resumo: A composição dos blocos megalíticos de arenito, pesando entre 130 e 180 toneladas cada, de Pumapunku -Tiwanaku, Bolívia, foi comparada com três sítios geológicos de arenito da região. Os resultados de MEV / EDS, DRX e seção delgada sugerem que os blocos megalíticos de arenito consistem em grãos de arenito do sítio geológico de Kallamarka, cimentados com uma matriz geopolimérica de ferro-sialato amorfo formada por intervenção humana, pela adição de sal alcalino extra (natron) do Laguna Cachi no Altiplano, Bolívia.

MEV / EDS da matriz de arenito geopolimérico ferro-sialato. Material Letters (235) (2019), 120-124, Fig.3 C-D.Um segundo artigo científico acerca dos espetaculares artefatos de pedra feitos de um geopolímero de andesita (esculturas em H e similares) foi publicado recentemente na Ceramics International (on line em 3 de janeiro de 2019), com o título: “Antigo Geopolímero de organo-minerais nos monumentos Sul-americanos: matéria orgânica em pedra andesita. MEV e evidência petrográfica ”. (J. Davidovits, L. Huaman, R. Davidovits, Ceramics International 45 (2019) 7385-7389, https://doi.org/10.1016/j.ceramint.2019.01.024). O acesso e o download gratuitos do artigo publicado estão disponíveis até 10 de abril de 2019 com o seguinte link: Ceramics International.

Tradução:

Antigo geopolímero organo-mineral em monumentos sul-americanos: matéria orgânica em pedra andesita. MEV e evidência petrográfica

Um estudo recente mostrou a presença de materiais de construção artificiais nos monumentos pré-colombianos em Pumapunku-Tiwanaku, Bolívia. Além das antigas lajes megalíticas de arenito-concreto e geopolímero, Pumapunku contém estruturas intrigantes em “H” feitas de pedra vulcânica andesítica. O estudo MEV deste andesito cinza mostra a presença de matéria orgânica: carbono, nitrogênio e minerais: Na, Mg, Al, Si, P, S, Cl, K, Ca. A matéria orgânica é muito incomum, se não impossível, em uma pedra vulcânica sólida e sugere uma pedra artificial semelhante a cerâmica. Nossa pesquisa demonstra que esses componentes arquitetônicos fabricados 1400 anos atrás (ca. CE 600) foram fabricados com um tipo precursor de organo-mineral.

Esculturas “H” em Pumapunku com matriz de geopolímeros organo-minerais. Foto: Rui Castelo Branco

 

Referências

www.geopolymer.org/news/geopolymer-in-south-american-monuments-first-scientific-paper-published/

https://doi.org/10.1016/j.ceramint.2019.01.024

https://doi.org/10.1016/j.matlet.2018.10.033

Juliana Dotto

Advogada e Tradutora, com formação em linguística e literatura, apaixonada por História e curiosa por vocação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *