Imensa Cidade Subterrânea Foi Descoberta Em Tiwanaku

Em 2018, Antropólogos descobriram uma cidade subterrânea em Tiwanaku, na Bolívia, tão extensa que levaria cerca de 50 anos para escavá-la, composta de complexos habitacionais e edifícios públicos que se estendem por 748 hectares de terra fora do perímetro do Centro Cerimonial de Tiwanaku.

Pelos novos dados obtidos com a ajuda da tecnologia, consistindo em câmeras de precisão que tiraram fotografias aéreas e de raios infravermelhos, encontrou-se uma cidadela Pré-Hispânica fora do perímetro arqueológico, onde se detectou que lá existem uma praça subterrânea e restos de uma plataforma que pode ser uma pirâmide”, disse um relatório do Ministério da Cultura e Turismo da Bolívia.

A descoberta ocorreu no âmbito das obras de conservação que são realizadas na área com a cooperação do Japão e da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

Pesquisas de escavação serão feitas na área sudoeste e norte, com o objetivo de confirmar ou deslegitimar os dados”, disse Condori, diretor-geral do Centro de Arqueologia, Antropologia e Administração Tiwanaku Research (IATTC), citado pelo Ministério.

Um dos principais destinos turísticos na Bolívia, o centro cerimonial de Tiwanaku, 71 km da cidade de La Paz, declarado Patrimônio da Humanidade pela Unesco em 2000, contém os Templos de Kalasasaya e Puma Punku, a Porta do Sol, a Pirâmide de Akapana e uma série de gigantescos monólitos.

Mapa feito pelo georadar.

OUTRAS DESCOBERTAS RECENTES

Desde o século XIX, Tiwanaku tem sido um sítio arqueológico bastante fértil. Em 2015, já foi localizada na área de Kantatallita uma pirâmide subterrânea por um radar de penetração no solo utilizado pelo Centro de Pesquisas Arqueológicas de Tiahuanaco.

Na mesma região, o grupo Akakor Geographical Exploration encontrou ruínas submersas no lago Titicaca, a 20 metros de profundidade, entre a ilha de Copacabana, do Sol e da Lua, destinos turísticos bastante conhecidos. O templo sagrado mede 200 metros por 50 metros (660 pés por 160 pés), quase o dobro do tamanho de um campo de futebol. Para filmar as ruínas, mais de duzentos mergulhos foram feitos no lago a profundidades de até 30 metros (100 pés).

 

No livro Tecnologia Ancestral no Peru e Bolívia, de David H. Childress, também existe um interessante relato que corresponde a esse impressionante histórico local.

Descobrimos que a nossa empresa de transporte terrestre tinha designado um guia de turismo local chamado Erich…Erich apontou para um morro piramidal a um ou dois quilômetros no outro lado da estrada principal, a oeste. Lá é uma vila e aquela colina é realmente uma pirâmide”, ele disse. “Foi lá onde a estátua Pokotia com a escrita suméria foi encontrada”. Vamos lá”, eu disse, pulando para abordar o motorista. Bem, as pessoas daquela vila não gostam de receber visitas,” Erich disse. “Eles estão fazendo alguma escavação privada naquela pirâmide e não querem ter desconhecidos bisbilhotando”…No início o monte assomando parecia apenas uma colina comum, mas em um exame mais de perto parecia mais como uma pirâmide. A superfície do seu lado sul mostrava sinais de perturbação, como se algum esforço de longo prazo para escavar a colina – ou pirâmide – estivesse ocorrendo.

IMPRESSÕES DO LOCAL

Em março de 2019 estive em Tiwanaku para dar continuidade a Expedição Antigas Civilizações do Brasil Pré-Histórico, e percebi que existem dezenas de pequenos “morros” muito parecidos com a pirâmide de Akapana, o que, para mim, é uma evidência concreta de que o sítio arqueológico regional é tão imenso que esses ínfimos esforços feitos pelas autoridades bolivianas são absolutamente insuficientes para desvendar a verdade sobre essa cultura Pré-Inca misteriosa. Não há vestígio de escavação na área de Tiwanaku aberta a visitação, acha-se apenas uma perfuração muito rasa em Puma Punku.

“Morro” ao fundo é a pirâmide de Akapana. Existem dezenas de “morros” parecidos em toda região. Foto: André de Pierre

Por outro lado, vemos que persistem excelentes iniciativas particulares, mas pela falta de apoio e interesse elas acabam cessando. Moradores locais relatam que o subsolo é repleto de artefatos e esqueletos, como exemplo, recebi a informação do caso do restaurante de Puma Punku, onde no quintal foram encontrados seis crânios alongados.

Crânio alongado encontrado no quintal do restaurante de Puma Punku. Foto: Brien Foerster.

Segundo a história comumente ensinada, inclusive demonstrada em um gráfico no museu de Tiwanaku, uma cultura chamada Chiripa foi a primeira a habitar o local a partir de 1500 a.C. . Contudo, o que vemos, como em muitas partes do mundo, é que a arqueologia tem se pautado em informações escassas para divulgar tantas certezas e, na minha opinião, o pouco que se descobriu até o momento contradiz essa linha do tempo desenvolvida exclusivamente para “inglês ver”, ou seja, para satisfazer os turistas.

Encontram-se diversas outras datações para o sítio, como aquela muito famosa efetuada pelo impetuoso pesquisador Arthur Posnanski, que através de medições arqueoastronômicas remontou o Centro Cerimonial de Tiwanaku para 17000 anos.

Uma rápida observação das tecnologia que os Chiripas e outros povos daquela época possuíam, demonstram que esses autóctones não tinham capacidade técnica para edificar tais construções e muito menos população suficiente para administrar uma área tão grande.

Considerando esses fatos, quem seriam os construtores da civilização Tiwanaku então?


VAMOS MUDAR OS LIVROS DE HISTÓRIA: https://apoia.se/andredepierre


Referências

PLANETA MAGNÍFICO – Disponível em: <https://www.planetamagnifico.com/2019/04/23/encuentran-una-ciudad-subterranea-de-748-hectareas-en-tiwanaku/>. Acesso em: 24 junho 2019.

AKAKOR – Disponível em: <https://www.akakor.com>. Acesso em: 24 junho 2019.

BBC – Disponível em: <http://news.bbc.co.uk/2/hi/americas/892616.stm>. Acesso em: 24 junho 2019.

SUPERINTERESSANTE – Disponível em: <https://super.abril.com.br/historia/o-misterio-do-templo-submerso/>. Acesso em: 24 junho 2019.

HISPANTV  – Disponível em: <https://www.hispantv.com/noticias/cultura/365079/recinto-prehispanico-mochica-peru-alva>. Acesso em: 24 junho 2019.

THE GUARDIAN – Disponível em: <https://www.theguardian.com/world/2000/aug/24/bolivia>. Acesso em: 24 junho 2019.

ANCIENT EXPLORER – Disponível em: <https://www.ancient-origins.net/news-history-archaeology/archaeologists-find-underground-pyramid-tiahuanaco-bolivia-020278>. Acesso em: 24 junho 2019.

HILDRESS, D. H. Tecnologia ancestral no Peru e Bolívia: 1. ed. Tietê: Anunaki, 2015

FOERSTER, B. Crânios alongados do Peru e Bolívia: 1. ed. Tietê: Anunaki, 2015

André de Pierre

Editor da Revista Enigmas, escritor, historiador, pesquisador, explorador e conferencista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *