A Enigmática Cueva de Los Tayos: Mistérios e Tesouros que Sobrevivem ao Tempo

Compartilhe

Na região amazônica equatoriana, chamada de Morona Santiago, há uma caverna muito profunda, conhecida por Cueva de los Tayos. Possui este nome por ser moradia dos Tayos, pássaros quase cegos que vivem nas profundezas da caverna que fica a uma altitude de 800 metros acima do nível do mar

A intrigante descoberta na Cueva de Los Tayos girou em torno do Sr. Janos “Juan” Moricz, um empresário argentino-húngaro aristocrático que alegou ter descoberto uma série de túneis no Equador que guardavam uma “Biblioteca de Metal”. Ele tentou registrar no Cartório da cidade de Cuenca uma escritura declarada na presença de várias testemunhas que confirmaram sua incrível descoberta, porém não se sabe ao certo se isso lhe foi permitido. A escritura expõe: “Na região oriental, província de Morona-Santiago, dentro dos limites da República do Equador, descobri preciosos objetos de grande valor cultural e histórico para a humanidade; contêm, provavelmente, o resumo da história de uma civilização desaparecida da qual, até essa data, não tínhamos o menor indício. Os objetos consistem principalmente de lâminas metálicas gravadas com signos e escrituras ideográficas, verdadeira biblioteca metálica que contém a relação cronológica da história da humanidade. Tais objetos se encontram espalhados dentro das diversas cavernas e são de natureza variada.”

Consta que Juan Moricz foi levado à entrada da caverna pelos índios Shuar, graças à amizade que mantinha com eles. Moricz acreditava que uma civilização perdida havia vivido no interior das cavernas, cuja rede de túneis subterrâneos com diversas entradas ocultas se espalhavam sob a América Latina inteira ligando todo o continente. Essa crença, da qual partilhou Juan Moricz, existe na maioria das culturas indígenas do continente americano. Os índios do Equador, como os Shuaras e Coangos, acreditam que os tuneis foram usados num passado distante por seus antepassados, permitindo assim, o contato entre os povos de terras distantes, contudo ao deixarem as cavernas para viverem sobre a terra, o conhecimento das entradas ocultas foram se perdendo.

Cueva de Los Tayos – Foto: Miguel Garzón

Curiosamente, no Brasil, há cerca de 15 anos, houve uma história bem parecida e que foi muito comentada durante a minissérie “Filhos do Sol”, na extinta TV Manchete. Tratava-se da existência de uma passagem secreta nas cavernas de São Thomé das Letras, em Minas Gerais, cujo túnel subterrâneo levaria quem o atravessasse diretamente ao Peru, próximo a Machu Pichu.

Segundo relatos de Juan Moricz, ao adentrar determinado local da caverna, ele se deparou com diversos blocos de pedras incrustados de pedras preciosas e lâminas de ouro de tamanhos que variam de 96cm a 1,30m de comprimento e 26 a 48cm de largura, com alguns milímetros de espessura. Nessas peças estavam gravados símbolos incomuns, que supostamente teriam sido deixados por um povo antigo e incrivelmente avançado para a época.

O primeiro desafio para acessar La Cueva de los Tayos é descer por sua perigosa entrada. Foto: Miguel Garzón


Em 1972, Moricz levou Von Däniken para conhecer uma entrada secreta e que dava acesso a um grande labirinto, mas aparentemente, von Däniken nunca chegou a biblioteca, se limitando apenas aos túneis. Este evento encontra-se em seu livro O Ouro dos Deuses:

“Todas as passagens formam ângulos retos perfeitos. Às vezes eles são estreitos, às vezes largos. As paredes são lisas e muitas vezes parecem ser polidas. Os tetos são planos e às vezes parecem cobertos por uma espécie de esmalte…Minhas dúvidas sobre a existência dos túneis subterrâneos desapareceram como por magia e me senti extremamente feliz. Moricz disse que passagens como aquelas pelas quais íamos estendiam-se por centenas de quilômetros sob o solo do Equador e do Peru.”.

La Cueva de Los Tyos-Foto: Miguel Garzón

Tamanha descoberta alvoroçou jornalistas e levou a publicações alemãs Der Spiegel e Stern entrevistaram Moricz, que estranhamente passou a negar ter estado na caverna com von Däniken, o taxando como mentiroso e destruindo sua credibilidade.

Muitos acreditaram que Von Däniken era um fabricante de mentiras, porém ninguém se atentou ao fato de que:  se von Däniken estivesse mentindo, ele não teria deixado uma trilha tão fácil para Moricz. Ele poderia ter alegado que não poderia revelar sua fonte.

 Parece haver algo de muito estranho nesta história toda, porque a princípio Moricz nega ter levado von Däniken ao local, porém não nega a existência da rede de túneis.

No Jornal Der Spiegel de 19 de março de 1973 é possível ler:

Der Spiegel: “Como você descobriu a biblioteca [de metal]?”

Moricz: “Alguém me levou lá.”

Der Spiegel: “Quem foi esse guia?”

Moricz: “Eu não posso te dizer.”

“Moricz afirmou ainda que a biblioteca era guardada por uma tribo.”

Há quem ache óbvio que Moricz mostrou algo para Von Däniken, mas que provavelmente teria sido instruído a não revelar a ninguém.

Mais tarde, Stanley (“Stan”) Hall leu o livro de von Däniken e veio a conhecer Moricz, que confirmou ter conhecido von Däniken em 1972 e que o teria levado a Guayaquil a Cuenca. Também relatou que encontraram o Padre Carlos Crespi e viram sua coleção de artefatos enigmáticos que ele alegava ter encontrado na caverna. Mas que não houve tempo para levar von Däniken ao local desejado, por isso decidiram mostrar-lhe uma caverna menor que fica a 30 minutos de Cuenca, afirmando que ela estava conectada à rede. Algo que parece esclarecer a situação um tanto confusa entre Däniken e Moricz.

“Moricz morreu em fevereiro de 1991”. Hall se tornou amigo de Jaramillo que afirmou ter entrado na biblioteca em 1946, quando tinha 17 anos de idade levado por um tio que aparentemente era amigo do povo Shuar, e que o convidara a conhecer um segredo por gratidão de algo de bom que teria feito pela tribo.

Uma das placas com inscrições que gerou curiosidade na década de 1970 – Foto: Miguel Garzón

Jaramilo conta que viu uma biblioteca composta de milhares de grandes livros de metal empilhados em prateleiras, cada um com um peso médio de cerca de 20 quilos, cada página impressa de um lado com ideogramas, desenhos geométricos e inscrições escritas. E o mais interessante é que ele diz que havia uma segunda biblioteca de livros pequenos, mas pesados e translúcidos como cristal, dispostos em prateleiras inclinadas cobertas de folhas de ouro. Havia estátuas zoomórficas e humanas, barras de metal de diferentes formas, portas lacradas cobertas de misturas de pedras coloridas e semipreciosas. Um sarcófago, esculpido em material duro, contendo um esqueleto dourado de um ser humano bem grande, entretanto, Jaramillo nunca produziu evidência física de suas alegações. Talvez quisesse viver à sombra da história!

Jaramillo e Hall queriam juntaram-se para finalmente chegar a Biblioteca de Metal, e organizaram uma expedição. Mas um acontecimento violento impediu o que poderia ser uma das maiores descobertas do mundo. Hall recebeu a notícia da morte trágica de Petrônio Jaramillo, assassinado durante um assalto.

Hall não era um caçador de tesouros, por isso com a morte de Moricz e Jaramillo, ele resolveu dar um tempo nas expedições. Quando voltou no ano 2000, mostrou mapas aéreos que apontavam uma curva no rio juntando-se a uma falha,  conhecida por se abrir em um sistema de cavernas que percorre vários quilômetros, sugerindo que um antigo terremoto poderia ter aberto a rede subterrânea, e que alguém em algum momento do passado descobriu e usou o local para instalar a biblioteca metálica. Hall foi a esse local e percebeu que ele se encaixava perfeitamente na descrição de Jaramillo. No entanto, Hall acredita que esta história não seja para ele, e não quis seguir como Moricz fez. Sendo assim, em 17 de janeiro de 2005, Hall informou ao governo equatoriano a localização da caverna com esperanças de que seja ela foco para alguma expedição.

Foto: Roberto Chávez / El Telégrafo (Cueva de Los Tayos)

A questão que não quer calar é: Onde está localizado este tesouro? A tal Biblioteca de Metal!

Segundo pesquisas, a localização é de 77º 47 ′ 34 ″ oeste e 1º 56 ′ 00 ″ sul. O GoogleEarth pode nos levar muito perto e satisfazer alguma curiosidade inicial.

Hall acha que levará décadas para que haja uma mudança de paradigmas, onde as pessoas possam trabalhar juntas para obterem resultados bem-sucedidos.

De qualquer forma, se comprovada a Existência da Biblioteca de Metal, todas as respostas para todos os mistérios a volta dela, virá de tudo que há de estar dentro dela.

Para saber mais sobre a Cueva de Los Tayos, assista o programa completo (em espanhol) da TV Teleamazonas através dos links abaixo (partes 1, 2 e 3 respectivamente):

Referências:

https://www.eyeofthepsychic.com/metal_libr/

http://www.sofadasala.com/historiaearqueologia/cristallibrary.htm

https://clovismoliveira.wordpress.com/2014/10/09/cueva-de-los-tayos-base-extraterrestre-intra-terrestre-conectada-com-outras-bases-na-terra/

http://www.oarquivo.com.br/extraordinario/lugares-extraordinarios/1596-cueva-de-los-tayos-a-caverna-do-tesouro.html

http://www.ecuavisa.com/articulo/noticias/actualidad/341161-cueva-tayos-misteriosa-formacion-que-desperto-fascinacion-neil

Leitura complementar: Nexus Magazine 13. 4 (junho-julho de 2006), World Explorers Club 4.5 (dezembro de 2006) e Ancient American Volume 12, edição 73 (junho de 2007).

Posted in Lugares Misteriosos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *